António Herédia Bandeira

António Guedes Herédia teve uma curta mas interessante carreira desportiva ao volante do seu Denzel 1300, um carro que comprou em 1954 e que ainda hoje conserva. Disputou a sua primeira prova em 1955, o Quilómetro de Arranque do Clube 100 à Hora, que se realizava numa estrada junto ao aeroporto de Lisboa, tendo vencido a respectiva categoria. Disputou também o Campeonato Nacional de Condutores desse ano, tendo conquistado um honroso terceiro lugar na categoria Sport. Em 1956 ainda participou no Rallye de S. Pedro de Moel mas mais tarde, em 1959, o Denzel dá início a um longo período de "hibernação" que só terminaria em 1986, altura em que o carro é enviado para a Austria para ser restaurado pelo seu próprio fabricante, Wolfgang Denzel, que há muito deixara o negócio de automóveis mas que tinha grande prazer em ajudar a recuperar os pequenos bólides que com tanto carinho e engenho produzira. 
Depois do restauro o pequeno Denzel veio "a rolar" até Portugal e deu início a uma segunda carreira desportiva, agora bem mais calma, mas que lhe permitiu participar nas Mille Miglia de 1989, onde António Herédia Bandeira fez equipa com Vasco Pinto Basto. Terminaram a clássica italiana em 150º lugar, entre 300 participantes. Mais tarde, o mesmo carro e o mesmo piloto voltariam às Mille Miglia, desta vez com Carlos Nunes dos Santos como navegador e companheiro de aventura.

Colaboração dos engºs João Lopes da Silva e Vasco Pinto Basto.
Bibliografia - Revista do Clube Português de Automóveis Antigos, nº22

                                                          António Herédia Bandeira, Rallye a Sintra 1955                                                                                   



Circuito de Monsanto, 1957. O Denzel de D. Afonso de Burnay (na foto) conseguiu terminar a corrida, ainda que com um atraso considerável em relação ao vencedor. Já o carro idêntico de D. António Guedes  Herédia, tio de António Herédia Bandeira e importador dos Denzel para Portugal,  viria a completar apenas 8 das 20 voltas da corrida.

É Afonso Maria Pacheco de Burnay na corrida da Taça Cidade de Lisboa, Monsanto 1957.
Terminou em 9º depois de cumprir 17 das 20 voltas da corrida.
António Guedes de Herédia, Visconde da Ribeira Brava “... mas eu não gosto de títulos...” como dizia quando se falava no assunto, tio do outro cavalheiro aí mencionado, António Alberto Herédia da Bandeira, 5º conde de Porto Covo da Bandeira, retirou-se com 8 voltas completadas.
E, já agora, o outro Denzel, o #1 Daniel Magalhães, ficou dois furos abaixo de Afonso de Burnay, também com 17 voltas.
E é tudo por agora, aqui da Torre do Lombo, que é o sítio onde se guarda a carne mais tenra...
Abraços
Carlos Guerra

19 comentários:

  1. José Guedes,

    Nota que não há Circuito de Monsanto em 1956, a não ser para motos, em Setembro.
    Que compreendeu corridas para motos de sport e de competição, scooters, velomotores, e scooters com side-car.

    Um abraço
    Carlos Guerra

    ResponderEliminar
  2. Valha-me um dos meus "santos protectores". A data do circuito (56) vem no artigo publicado na revista do CPAA mas, de facto, nada encontrei nos arquivos do costume relativamente a esta prova. Só pode ser 55, então. Vou "mergulhar" outra vez nos papeis.
    Obrigado, uma vez mais, pelo teu abençoado cuidado.
    Abraço
    Z

    ResponderEliminar
  3. Amigos

    Quero crer que a foto de Monsanto é de 1957, na qual António Herédia poucas voltas concluíu.

    APF

    ResponderEliminar
  4. Pois, mas nos registos da época (1957) aparecem com o nº 2 o sr D. Afonso de Burnay e com o nº 3 D. António Herédia.
    Algo me diz que vou ter de voltar à Hemeroteca e à Torre do Tombo para esclarecer esta aristocrática dúvida.

    ResponderEliminar
  5. Olá José Guedes, olá Ângelo,

    É Afonso Maria Pacheco de Burnay na corrida da Taça Cidade de Lisboa, Monsanto 1957.
    Terminou em 9º depois de cumprir 17 das 20 voltas da corrida.

    António Guedes de Herédia, Visconde da Ribeira Brava “... mas eu não gosto de títulos...” como dizia quando se falava no assunto, tio do outro cavalheiro aí mencionado, António Alberto Herédia da Bandeira, 5º conde de Porto Covo da Bandeira, retirou-se com 8 voltas completadas.

    E, já agora, o outro Denzel, o #1 Daniel Magalhães, ficou dois furos abaixo de Afonso de Burnay, também com 17 voltas.

    E é tudo por agora, aqui da Torre do Lombo, que é o sítio onde se guarda a melhor carne...

    Abraços
    Carlos Guerra

    ResponderEliminar
  6. Olá José Guedes, olá Ângelo,

    É Afonso Maria Pacheco de Burnay na corrida da Taça Cidade de Lisboa, Monsanto 1957.
    Terminou em 9º depois de cumprir 17 das 20 voltas da corrida.

    António Guedes de Herédia, Visconde da Ribeira Brava “... mas eu não gosto de títulos...” como dizia quando se falava no assunto, tio do outro cavalheiro aí mencionado, António Alberto Herédia da Bandeira, 5º conde de Porto Covo da Bandeira, retirou-se com 8 voltas completadas.

    E, já agora, o outro Denzel, o #1 Daniel Magalhães, ficou dois furos abaixo de Afonso de Burnay, também com 17 voltas.

    E é tudo por agora, aqui da Torre do Lombo, que é o sítio onde se guarda a carne mais tenra...

    Abraços
    Carlos Guerra

    ResponderEliminar
  7. Para os "amantes" dos Denzel, dos 3
    carros dois eram de cor branca, sendo
    o terceiro vermelho escuro, uma info
    do SIS
    Luis

    ResponderEliminar
  8. Aproveito o facto de estar no meio de gente bem mais conhecedora e informada para tirar uma dúvida: Nos meus "apontamentos" tenho 6 Denzel diferentes, a saber: O DD-20-32 (chassis DK25), que correu em 1954 com o José Alves Pimenta, o FH-20-49 (chassis DK28), que correu com o Joaquim Filipe Nogueira, o LG-22-20 (chassis DK32), que não sei com quem correu, o GC-19-75 (não sei o chassis) de Ernesto Martorell, o GC-19-96 (também não sei o chassis) de(também não sei o chassis) Fernando Stock e o BC-21-00 de António heredia Bandeira. Alguns de vós se lembra de mais algum por cá? Um abraço do José Correia

    ResponderEliminar
  9. Tanto quanto sei , confirmo as suas
    notas dos 6 Denzel que vieram para
    Portugal , falta me averiguar a
    ebtrasa ou nao de um sétimo carro à
    posteriori .
    Abraço
    Luis

    ResponderEliminar
  10. Dando as boas vindas ao José Correia a este interessantíssimo debate, permito-me acrescentar que tenho comigo cópia do registo de propriedade do Denzel com a matrícula GD-67-69 a favor do sr José Sousa Conde, residente no Porto, a partir de 2003. O primeiro registo, de 196(?) pertence à Auto Portuguesa Lda, com sede em Lisboa, tendo em 1974 passado para para a Sociedade Vitivinícola São Jorge, de Alenquer. Existem mais alguns proprietários conhecidos, entre eles Maurício Macedo (desde 06/11/1990)

    ResponderEliminar
  11. Desconhecia totalmente esse sétimo Denzel, posso adiantar que se trata do chassis DK 152, um dos últimos a serem produzidos, já que julgo que o último terá sido o chassis DK 164. Entretanto encontrei nos meus apontamentos o número de chassis do Denzel de D. António Herédia, é o DK 36. É um prazer partilhar o pouco que posso acrescentar aos vossos conhecimentos! Um abraço José Correia

    ResponderEliminar
  12. José Correia, este era o tal Denzel
    que faltava , cheguei a ver a sua
    reconstruàao em Alenquer , mas so me
    recordava da cor(cinza grafite)e que
    matricula era bem à posteriori dos
    outros ,agora graças a si e ao J Guedes , temos matricula e numero de chassis.
    Abraço
    Luis

    ResponderEliminar
  13. Quero aqui deixar, como pequena contribuição, a informação de que disponho sobre estes carros.
    Assim começo com uma pequena correção, o carro que Martorell partilhou com Filipe Nogueira nas 12 horas de Casablanca tem a matricula CG-19-75 e não GC- como foi mencionado.
    O GD-67-69, que se encontra atualmente na Alemanha, pertenceu efectivamente ao Mauricio Macedo, irmão do conhecido piloto Horácio Macedo, pois eu vi-o pessoalmente em sua casa no Paço da Glória perto de Arcos de Valdevez, em 1990.
    Aproveito ainda para juntar à lista os Denzel de Matricula GG-21-31 com Nº de Chassis #DK29 e o CL-21-75 com Nº de Chassis #DK31.
    Cumprimentos JP Ferreira

    ResponderEliminar
  14. A que matricula corresponde o chassis #DK36 ???

    ResponderEliminar
  15. O chassis DK36 corresponde à matrícula LG-22-20. Este carro foi recentemente restaurado e a sua imagem actual irá surgir em breve nestas páginas.

    ResponderEliminar
  16. Caro José Guedes a informação que eu tenho, obtida junto da oficina onde o carro se encontra a restaurar e confirmada junto do IMTT é de que à matricula LG-22-20 corresponde o Nº de Chassis DK32 e de que este carro pertenceu efectivamente a D. António Guedes Herédia.

    ResponderEliminar
  17. Penso que a sua informação estará correcta, embora o actual proprietário me tenha sugerido que seria o #36. Mas ele tem uma vida demasiado ocupada para poder prestar muita atenção a esses detalhes, pelo que se aceita o rigor discutível da primeira informação.
    Obrigado pela colaboração.

    ResponderEliminar
  18. Hallo all

    Interesting discussion about the Denzel cars

    Sorry I write in English,but I can't portugese.

    there is a great denzel book (ISBN 978-3-85119-314-5)

    The Portugese Denzels are:
    DK20: CG-19-75 Antonio Heredia
    DK23: GC-19-96 Fernando Stock
    DK25: DD-20-32 Jose pimenta
    DK28: FH-20-49 J.F Nogueira
    DK29: GG-21-31 Unknown
    DK32: LG-22-20 Antonio Heredia
    DK36: BC-21-00 Heredia Bandeira
    DK152: GD-67-69 Marques de Cunha
    DK165: LG-22-20 Antonio Heredia (new body on chassis DK32)

    It's believed that the DK20 is in Angola, e

    ResponderEliminar
  19. My dear friend
    Could you please send me your email address? I would like to exchange some information with you concerning the Denzels and a few things more.
    Thanks
    José Guedes
    jcg356@gmail.com

    ResponderEliminar